IndicarIndique este portal FavoritarAdicionar aos favoritos
Notícias

Planejamento tributário: está na hora de visitar seus clientes

Postado em 06/11/2018.

Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real? Se for Lucro Real, é melhor a opção trimestral ou a anual?

Bom, a hora de as empresas fazerem esta escolha para 2019 chegou e cabe aos Profissionais da Contabilidade mostrar qual é a melhor opção para seus clientes, por meio de um planejamento tributário.

Segundo o consultor da ROIT Lucas Ribeiro, o Contador precisa, na hora de montar o planejamento tributário do seu cliente, considerar todos os números (receitas, custos, despesas, impostos) do ano anterior, dos últimos 12 meses e, principalmente, das projeções da empresa para o próximo ano.

“É fundamental que todas as hipóteses sejam analisadas e em todos os regimes tributários, comparando-se a carga tributária total efetiva. O planejamento tributário visa a regularização e o Compliance tributário da empresa, para que possa pagar o mínimo possível, de forma absolutamente legal”, salientou.

É importante começar este trabalho o quanto antes, porque a elaboração do planejamento tributário de uma empresa de médio porte leva, em geral de 30 a 60 dias, de acordo com a disponibilidade de dados, reuniões dos sócios e análises de mercado, além das tributárias.

“Inúmeras mudanças tributárias acontecem durante o ano e que podem impactar o crescimento e a carga tributária efetiva da empresa. Por isso, é altamente recomendável que a cada ano a empresa faça um planejamento completo e esta necessidade precisa ser apresentada aos clientes”, ressaltou Lucas Ribeiro.

O especialista lembra ainda quais são as principais vantagens e desvantagens dos regimes.

Para ele, o Simples Nacional, em geral é vantajoso para empresas com faturamento de até R$ 300 mil mensais e as que têm custo de folha representativo. Em teoria é mais simples de se apurar, mas na prática há muitos riscos de o empresário acabar pagando mais do que se estivesse em outro regime tributário.

 Já no Lucro Presumido, muitas vezes, a vantagem ocorre se o lucro da sua empresa for superior a base presunção estabelecida pela lei, em IRPJ e CSLL. Mas, é fundamental analisar o comparativo conjunto com PIS e COFINS, que no Presumido não dá direito a créditos. Além disso, se a empresa enfrentar prejuízos ao longo do ano pagará como se tivesse lucros.

O Lucro Real, por sua vez, tem alíquotas de PIS e COFINS mais altas que os outros regimes, mas elas não são cumulativas o que pode contribuir para reduzir a carga destes tributos, com créditos. No Lucro Real há compensação de prejuízos fiscais, depreciação, amortização e benefícios fiscais importantes, como a Lei do Bem, PAT, JCP e outros.

Visite-nos no LinkedIn! Curta nossa página no facebook!



Texto: Katherine Coutinho
Fotos: Divulgação
Edição: Lenilde De León

De León Comunicações