Notícias

William Magalhães Gavaldão: Estudar é o segredo do negócio

Postado em 22/01/2019.

Com um senso de humor notável, além de muito conhecimento adquirido, William Magalhães Gavaldão volta ao passado com os olhos de uma boa lembrança ao ser questionado sobre o início da sua trajetória na Contabilidade. 

Paulista natural de Bauru, o profissional conta como escolheu, ainda na juventude, ingressar no mundo dos livros contábeis e balancetes. 

A opção ocorreu cedo, logo após cursar o último ano do chamado colegial, hoje conhecido como ensino médio. William, que cursava o Técnico em Eletrônica, abandonou o curso para, em 1983, começar a estudar a Contabilidade. 

“Entrei no curso Técnico em Contabilidade, no Colégio Comercial “Horácio Berlinck”, no período noturno. Na época, já trabalhava como auxiliar de Contabilidade, na Fundação “Dr. Amaral Carvalho” (hospital de tratamentos oncológicos) desde 1981. Mas fui aprendendo a arte contábil mecanicamente. Eu era como um “robozinho””, relata. 

O fato de ter ingressado cedo na profissão o fez acompanhar as mudanças pelas quais a Contabilidade passou ao longo dos anos. 

“Naquela época, uma das minhas obrigações era o chamado sistema de cópia por gelatinas, que permite ser copiada no Diário Geral da entidade. Meu chefe, José Eduardo Nadalet, dizia: “Este processo é o que temos de mais moderno, isto é tecnologia de ponta”. Meu Deus, nada como estar no século 21”, conta William. 

Conhecimento 

O profissional percebe o quanto esta experiência foi importante para o seu desenvolvimento. “Quando comecei a cursar as aulas de contabilidade, foi como tirar o véu. Tudo ficou claro e transparente. Um dos meus professores, de contabilidade geral, Sylvio Edison Martins (in memoriam), contribuiu muito para o meu aprendizado e diretrizes da profissão. Tive certeza que era o que eu queria”. 

Tanto que hoje, além de técnico em Contabilidade, Gavaldão é bacharel em Ciências Contábeis, pós-graduado em Controladoria Estratégica e Perícia Judicial. Atualmente está cursando pós-graduação em Perícia Contábil e retornando ao curso de graduação em Direito. 

Isso porque, para ele, nesta área de atuação um dos segredos é a atualização profissional. 

Origem 

William conta que a sua escolha pela Contabilidade foi inata. Seus amigos, inclusive, sempre lhe diziam tinha um controle pelas suas contas pessoais que era de causar inveja. 

“Era eu que as vezes dava o cheque para cobrir as despesas do final de semana. Eu sabia exatamente quando ia cair e o valor que cada um dos meus amigos deveria me repassar para deixar na conta corrente, pois nunca admiti passar um cheque sem fundos. Meu pai, Uilson Gavaldão, e minha mãe, Jandira Magalhães Gavaldão, sempre diziam: “Meu filho, você pode não ter nada na vida, mas seu nome é coisa sagrada, tem que conservar. Tenha seu nome limpo e sempre terá crédito”. Foram sábias palavras”, disse. 

Porém, seus interesses não se limitam à Contabilidade, indo desde a Agronomia, com seus “milagres”, até a Arqueologia, por causa do seu fascínio pela era dos dinossauros. Até a Teologia o intriga. Tanto que fez um curso de Teologia para leigos, no qual aprendeu muito, fortificando a sua fé. 

Família 

William é casado (e muito bem casado, como salienta) desde 22 de dezembro de 1990 com Roseli Aparecida Marcos Gavaldão, de 53 anos. O casal tem uma filha, Mariana Marcos Gavaldão, de 14 anos. “Elas são presentes valiosos que o papai do céu me deu, dos quais tento cuidar com o maior esmero”. 

Nas horas de lazer, o Contador gosta de trocar ideias com os amigos, ao ponto de não sentir o tempo passar, ainda mais se for acompanhado de comidas e bebidas gostosas. 

Mas também gosta de assistir bons filmes na televisão ou cinema, além de programas de debate de alto nível, sobre temas como Política, Economia, Tecnologia e Ecologia. 

Futuro 

Por ter visto todo o processo de evolução da Contabilidade, William percebe também que alguns pontos ainda precisam ser mudados. 

“Acredito, mais do que nunca, que nosso mercado empresarial necessita de profissionais contábeis de primeira linha. E temos. Não existe mercado para amadores. Minha meta e planos para o futuro será me aperfeiçoar ainda mais na fascinante área da Perícia Judicial Contábil e dar continuidade ao crescimento do meu escritório, RHOMA Contabilidade, juntamente com minha equipe Roseli, Rosana, Douglas, Renan e Agnelio, que acreditaram no meu sonho e estão comigo desde o início. Espero tê-los sempre ao meu redor. Foi um sonho que se concretizou. Temos valores a oferecer a este público tão carente de informações, mas antes de tudo dando suporte a este mercado que é tão necessitado de controles internos, planejamento tributário, informações de markup, preço de venda, custos, impostos diretos e indiretos, ferramentas estas que podem alavancar seus negócios”.

Por fim, William deixa um recado aos que estão chegando agora: “Acreditem, é o nosso futuro. É o futuro de vocês. Estudem, se aperfeiçoem, aprendam técnicas novas, criem o seu diferencial. Não acreditem nessa história que nossa profissão está com os dias contados. Temos muito a oferecer, chegamos até agora com o IFRS e o Projeto SPED. Já imaginaram ainda o que está para vir? É isso que deve nos estimular. Somos os profissionais do futuro, de um mundo em constante mudança. Ao futuro e avante!”.

Visite-nos no LinkedIn! Curta nossa página no facebook!



Texto: Katherine Coutinho
Fotos: Arquivo pessoal
Edição: Lenilde De León

De León Comunicações